Maria Bethânia - UOL Fotoblog
Dê uma nota para esse fotoblog   |    Adicionar aos meus favoritos

   Ver todas as fotos
  
  Anterior
  

"Para onde vai Maria Bethânia?". Não sei, mas, onde ela estiver, estarei lá.

Disco novo de Bethânia é sempre um acontecimento. Meus Quintais, recém-lançado, é excepcional. Requintado. Bonito. Essencial. Parece que minha baiana preferida abriu mão da urgência temporal. Acima de modismos e tendências, seu canto aponta um Brasil musical consistente. E se, como eu, você não aguenta mais o barulho estridente dos artistas de ocasião, canções que não resistirão ao próximo verão, ouça Uma Iara, que funde Adriana Calcanhotto com Clarice Lispector, para entender meu entusiasmo. Esses dias, aliás, Adrix me perguntou a sério: "Para onde vai Maria Bethânia?". Não sei, mas, onde ela estiver, estarei lá.
O que tinha de ser: uma cantora muito jovem se apresentava em Salvador, em 1964, acompanhada dos conterrâneos que mudariam a história da música brasileira, quando o produtor do espetáculo Opinião a assistiu e a recomendou para substituir Nara Leão no histórico espetáculo carioca. Destino e predestinação. Cinquenta anos depois, Bethânia reluz no auge de sua carreira vitoriosa e única. Sempre que está em Porto Alegre, junto com Tânia Carvalho, partilhamos gargalhadas e lágrimas. No Barranco, bebendo cerveja quente depois de um show problemático, sentado entre ela e Mísia, a fadista portuguesa, chorei de rir ouvindo uma conversa das duas divas sobre o tamanho do pau dos homens japoneses, impublicável num jornal de família. Mísia, à época casada com um, garantia plena satisfação contra propagandas enganosas.
Oblíqua e incandescente, Maria Bethânia é associada às paixões desmedidas, mas, asseguro, seu bom humor é contagiante. Canta hinos do futebol brasileiro, conta piadas, ri alto. Num episódio recente, quiseram tratá-la como aproveitadora de verbas públicas. Fiquei indignado como poucas vezes na vida, e muito grato ao Jorge Furtado, que usou seu prestígio nacional para defendê-la. Ferreira Gullar também. A acusação ridícula passou. Sua mágoa, não sei.
As célebres corridinhas que marcaram boa parte de suas performances hoje se transformaram em gestos elegantes e controlados. Senhora dos raios, dona do palco, sua voz, como vinho, está melhor que antes. Sempre dou vexame nos espetáculos da Abelha Rainha. Começo a chorar e não paro. A única vez que ousei lhe dizer "não" foi quando me pediu que lhe ensinasse a cantar Prenda Minha. Eu, cantar para Maria Bethânia? "Nem morta!", como diria o mano Caetano. (Luciano Alabarse)


02/04/2015 Publicada por Neide

  

Ver todos favoritos








BRASIL, BAHIA, SALVADOR, ITACARANHA, Mulher, de 56 a 65 anos, Portuguese, Spanish, Música, Livros, Esportes








O que é isto?



Comente esta foto
Nome   
E-mail   
Site/Blog   
Comentário  
Caracteres restantes : 1000